Notícia - Ouro Safra
Brasil mantém boa performance nas vendas externas de tabaco
Além do vigor interno na produção e na industrialização de tabaco, o Brasil preserva sua força no fornecimento do produto ao mundo, onde é líder há 26 anos. Em 2019, as exportações deverão registrar bom crescimento, na ordem de 10% a 15% no volume embarcado e de 6% a 10% em dólares, na comparação com 2018, segundo pesquisa feita pela PriceWaterhouseCoopers (PWC) para o Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) em meados do ano. Mas, conforme os dados oficiais disponíveis até outubro, os embarques já atingiam 469 mil toneladas (28% a mais sobre o mesmo período anterior) e a receita obtida passava de US$ 1,8 bilhão (mais 17%).

A justificativa principal para o incremento registrado, conforme Iro Schünke, presidente do SindiTabaco, é a postergação de embarques para a China, inicialmente previstos para o final de 2018 e que ficaram para o início de 2019. Esse fato também contribuiu para reduzir o volume vendido em 2018 em relação ao anterior, além de ter havido interferência logística com o movimento dos caminhoneiros ocorrido no primeiro semestre. Diante desta conjuntura em 2019, a China deverá colocar-se novamente como segundo maior importador de tabaco do Brasil, posição ocupada pelos Estados Unidos em 2018.

Continuavam também, no ano em curso, embarques expressivos para a Bélgica (por onde acontece a maior importação do Brasil) e, na sequência, após a China, para Estados Unidos, Indonésia (quarto colocado em 2018), Rússia (sétimo), vindo em seguida a Alemanha (sexto em 2018) e a Polônia, que aumentou as compras. O Egito, que aparecia entre os cinco primeiros compradores do produto no País, diminuiu as aquisições em 2019, em situação semelhante ao que ocorreu com a Itália há dois anos, enquanto os demais se mantém com boas compras constantes.

Ao todo, cerca de 100 países de diversos continentes importam o tabaco brasileiro. A União Europeia respondeu por 41% das aquisições em 2018, seguida do Extremo Oriente, com 24%; África/Oriente Médio, com 11%; América do Norte, 10%; América Latina, 8%; e Leste Europeu, 6%. O volume total vendido neste ano pelo País alcançou 461 mil toneladas e o valor das operações ficou próximo aos US$ 2 bilhões. Em 2019, o preço médio registrava alguma redução, na ordem de 7%, onde um dos fatores que influenciou, conforme o dirigente do SindiTabaco, foi uma venda maior de talo (menos valorizado) do que de lâmina.

A Região Sul do Brasil (constituída pelos estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná) respondeu por 99,1% do volume de tabaco exportado em 2018. Já no total das exportações brasileiras neste ano, incluindo todos os produtos embarcados, o tabaco representou 0,8%. Na região Sul, esse índice atingiu 3,9%, enquanto em Santa Catarina a participação elevou-se para 4,2% e no Rio Grande do Sul chegou a ter representatividade na ordem de 7,4%.

CREDIBILIDADE CONQUISTADA

De modo geral, o Brasil, que destina cerca de 85% da produção de tabaco ao mercado externo, mostra estabilidade nas exportações nos últimos anos e, para o futuro, de acordo com o presidente da entidade industrial, Iro Schünke, a expectativa é de manter a sua participação no mercado, onde tem respondido por cerca de 25% a 30% dos negócios mundiais. Isto deverá ocorrer, segundo ele, mesmo com alguma diminuição no consumo e uma interferência maior do produto africano, de características semelhantes e preço competitivo, em fase de expansão, ressalvando, no entanto, que é preciso manter valores atrativos.

O Brasil, destaca o representante do setor, conquistou credibilidade junto aos importadores em geral pela qualidade que oferece (com um produto limpo e que atende às necessidades do mercado) e a sustentabilidade que apresenta na produção, ao afastar-se do trabalho infantil e do desmatamento, por exemplo. Estas condições, bem como a segurança no fornecimento, reforça Schünke, são garantidas pelo sistema integrado de produção, que já está presente no segmento brasileiro – e com sucesso – há um século.

Fonte: Agrolink 


Ouro Safra® 2012. Todos direitos reservados