Notícia - Ouro Safra
Edição de genes fornece 15% a 16% de proteína ao sorgo

Os pesquisadores alcançaram um grande avanço no sorgo, elevando a proteína da colheita de cereais de importância global de 9% a 10% para 15% a 16%. A descoberta foi revelada pelo professor Ian Godwin na conferência TropAg 2019 em Brisbane,  na Austrália, após uma pesquisa realizada pela Aliança de Queensland para Agricultura e Inovação Alimentar. 

O desenvolvimento tem animado particularmente as indústrias de aves e suínos, bem como os confinamentos de carne bovina. Espera-se que o aumento de proteína resulte em uma redução de cerca de 50 c / cabeça no custo de produção de uma ave de carne de 2 kg. 

Espera-se também que a descoberta gere grande interesse nos 46 países da África Subsaariana, onde cerca de 500 milhões de pessoas dependem do sorgo como fonte de alimento. O professor Godwin disse que os genes da planta do sorgo foram editados para desbloquear o nível de digestibilidade da proteína disponível. "A edição de genes nos permitiu eliminar alguns dos genes existentes", disse Godwin. "Isso aumentou a digestibilidade da colheita", completa. 

A primeira colheita experimental ao ar livre será plantada no campus de Santa Lúcia da Universidade de Queensland, em Brisbane, na próxima semana e, até o momento, a variedade editada do gene só foi cultivada em condições de estufa. O novo sorgo editado por genes de alto rendimento está sendo desenvolvido em parceria com a Pacific Seeds, e espera-se que os trabalhos de desenvolvimento sejam realizados nos EUA. 

De acordo com livescience.com, a tecnologia CRISPR é uma ferramenta relativamente simples para editar genomas. Ele permite que os pesquisadores alterem as seqüências de DNA e modifiquem a função genética, que pode ser usada para melhorar as plantações. A tecnologia foi adaptada dos mecanismos naturais de defesa de bactérias e arquéias. 

Fonte: Agrolink 


Ouro Safra® 2012. Todos direitos reservados